Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
A AZENHA por Cláudia Guerreiro e Filho da Mãe

A AZENHA por Cláudia Guerreiro e Filho da Mãe

Música & Festivais | Música

GNRATION

BLACKBOX
Classificação Etária
Maiores de 6 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2020
nov
27
Realizado

Abertura Portas

21:30

Promotor

Teatro Circo de Braga, EM, SA

Sinopse

Cláudia Guerreiro e Rui Carvalho (Filho da Mãe), ambos músicos, ela também ilustradora e escultora, são amigos há 20 anos, casados há 10, mas são raras as vezes em que se encontram no palco. Foi algures no Alentejo que descobriram a história que move o espetáculo a que chamaram de A Azenha. É a partir de uma casa na planície alentejana, onde em tempos D. Dinis teve uma amante, que desenvolvem a narrativa que utilizam para construir esta viagem sensitiva. A casa é a mesma casa onde viveram o escultor e artista modernista Jorge Vieira, um dos mais influentes do século XX português e uma das figuras a quem se atribui a introdução do abstracionismo em Portugal ainda durante a década de 40, e a escultora Noémia Cruz, colaboradora de Jorge e responsável pela execução da sua obra pública após a sua morte.
Inspirados nas personagens de Jorge Vieira, a guitarra de Filho da Mãe casa-se com as imagens de Cláudia Guerreiro. Cláudia pinta, cria cenário de cor e papel, usa figuras de papel em jeito de marionetas e movimenta luz num vidro, que é filmado e projetado. A guitarra de Rui Carvalho é a voz da história. Tudo em tempo real.
A Azenha fala de amores cósmicos e intuitivos em sítios a que todos pertencemos, na terra ou no espaço, de dia ou de noite, das impossibilidades do amor e das estranhas condições em que ele decide acontecer. No fim, as nossas casas são onde amamos.
Um ano depois da primeira e única apresentação de A Azenha, Cláudia Guerreiro e Rui Carvalho desenvolvem e aprimoram o espetáculo em Braga, em contexto de residência artística, com o apoio à criação do gnration. No final da residência, voltam a palco, para os vermos juntos, numa das raras aparições, esperando que A Azenha deles e de Jorge Vieira seja também, por momentos, a casa de todos nós.

-
Partilhar